Gaúcho porto-alegrense

Na linha, Semana Farroupilha:

Toda cidade tem um jeito, uma forma peculiar de falar. São expressões que marcam o lugar e acabam se tornando uma espécie de “dialeto” daquele grupo social. E os porto-alegrenses têm um jeito muito especial de se comunicar. Confira aqui algumas pérolas da cidade.

  • Arregar — Ficar com medo. “Arregou para a via!”
  • Azar é do goleiro — Tipo “doa a quem doer”. “Não quero saber, não tô nem aí!”.
  • Baia — O mesmo que casa. Sendo baia a casa do cavalo, aqui virou casa de gente. “Quando vier para o Sul, pode ficar na minha baia”;
  • Baita — Baita é baita. É muito grande.”Baita via!”
  • Balaqueiro — Indivíduo provido de pseudo-malandragem. “O fulano escala todo balaqueiro”.
  • Bem nessas — Significa dizer “sim, isso mesmo, eu concordo contigo”.
  • Cagando e andando — O cara que não tá se importando muito com determinada situação. Mesmo que seja difícil imaginar a cena. Eu (o Ricardo) acrescentaria “e chutando pros lados”.
  • Chinelão — Xingamento que designa indivíduo com pouca classe, desarrumado, sem muito traquejo social. E mais um pouco.
  • De cara — Chocado, surpreso e até mesmo magoado. Tudo junto. “Ô meu, o fulano tá de cara contigo!”. Também pode significar o sujeito que não está sob algum estado alterado de consciência.
  • De canto — Discretamente, sem chamar a atenção.
  • De rachar — Geralmente refere-se ao frio muito intenso. “Bah, hoje tá fazendo um frio de rachar os beiços”. Mas pode se referir aos efeitos do Sol. “Putz, um sol de rachar!” Rachar a cabeça, imagino.
  • E lambe os beiço (assim mesmo, no singular)— O mesmo que dizer: E dê-se por satisfeito!
  • Encher o buxo — Comer demasiadamente. Um pouco além do recomendado.
  • Escangalhado — Em estado lamentável. Esbodegado.
  • Faz a frente — O mesmo que “Faz a mão”. Quer dizer: Pô fulano, dá um jeito aí. Também pode ser: Vai, toma a iniciativa.
  • Fechou o pau — Estranho, mas quer dizer que aconteceu uma briga, uma confusão, um tumulto. Pode ser também “fechou a rosca”, ou ainda “fechou o tempo”.
  • Findi — Forma apocopada para fim-de-semana. “Nesse findi eu vou pra Magistério”.
  • Gente-fina — Diz-se de indivíduo com qualidades e virtudes. Amigo, parceiro, “dus meu”.
  • Godô — Artimanha, despiste, desculpa esfarrapada. “O fulano me deu um godô”.
  • Guri de apartamento — diz-se do indivíduo sem muita malandragem, criado dentro de casa, mimado. Variação: guri de carpete.
  • Hugo — Onomatopéia típica para o vômito. “Bah, ontem cheguei em casa mamado e chamei o hugo”.
  • Indiada — Situação pouco agradável, programa indesejado. “Bah, o fulano me mete em cada indiada”.
  • Já era — Termo muito usado para indicar a finitude de uma situação. Algo que não volta mais. “Viajou, magrão, fez a cagada agora já era”.
  • Jóia — Legal, ou “tri legal”, bacana. Diz-se de pessoas ou coisas. “A fulaninha é bem jóia, né”.
  • Lagarteando — Diz-se do sujeito que está ao sol, aquecendo-se. “Hoje tá bom pra pegar um chimas e ir pra Redença, lagartear”.
  • Liga — Situação favorável, sorte. “Bah, dei uma baita liga”.
  • Lomba — Lomba é lomba, ora. Mas no resto do país é ladeira.
  • Me abri pra ti — Algo como: ” tu é o cara mesmo!”. Tirei o chapéu.
  • Mijada — O mesmo que bronca. “Minha chefe me deu uma mijada”.
  • Montar num porco — Ficar muito chateado com determinada situação. Ficar puto da cara.
  • Námor — Em Porto Alegre temos a mania de diminuir, carinhosamente, as palavras. Assim namorada vira námor, chimarrão vira chimas, Redenção é Redença e por aí vai.
  • Não caga nem desocupa a moita — Humm. Pois é. Expressão usada para o sujeito que não se decide. Não vai nem fica. Não anda nem desanda.
  • Não dá nada — Algo como: “não te preocupa, isso não vai nos trazer problemas futuros”. Ou simplesmente: “Não esquenta”.
  • Nicada — O mesmo que fazer amor, transar. Maneira chula de se referir ao ato sexual. “Tô loco pra dar uma nicada”.
  • O que é um peido pra quem tá cagado — Muito usada para justificar uma atitude inesperada para alguém em situação desfavorável, sobretudo financeiramente.
  • O que não mata engorda — Expressão muito usada quando se come algo de gosto ou aspecto duvidoso. Serve para acalmar a “vítima”.
  • O ó do borogodó — Essa expressão, com som tão agradável, é usada para dizer que certa coisa é ruim, “de última”, “o fim da picada”.
  • Pega-ratão — A UFRGS (diz-se úrguis) costuma usar muito em seus vestibulares. Apresenta uma questão relativamente fácil e os vestibulandos mocorongos acabam caindo. É uma armadilha, um embuste.
  • Pra tu vê — Expressão usada para indicar a confirmação e/ou surpresa em determinada situação. “Me deu um pé na bunda. Pra tu vê como são as coisas”. Bom, talvez não seja bem isso.
  • Profi — Coisa de profissional. Especial mesmo. “Pô, esse site de Porto Alegre ficou profí!”.
  • Qualé o teu pastel? — Não é o balconista perguntando que sabor tu queres. Mas sim “qual é a tua?”. Uma interpelação brincalhona, mas nem sempre. Depende do tom.
  • Que tal? — Usada como saudação. Ao invés de dizer “oi, tudo bem?” se diz “ó, que tal?”. Também usada em tom elogioso “Mas que tal, hein!”.
  • Rateada — Ato de vacilar, fazer algo errado, cometer um deslize. “Bah, meu, que rateada!”.
  • Responsa — Forma diminuída de responsabilidade. “Olha a responsa!”, quando se chama a atenção do sujeito para o seu dever. Tem também o “na responsa”.Significa algo bem feito, caprichado. “Olha esse sanduba que fiz pra ti, na responsa.”
  • Revesgueio — No futebol quando se pega de mau jeito na bola. Também serve para olhar de canto do olho, de soslaio. “Tá me olhando de revesgueio”.
  • Sarna pra se coçar — Situação que poder gerar confusão. “Tu tá é procurando sarna pra se coçar”. Procurando encrenca, incomodação.
  • Se escalar — Ato de tirar proveito da bondade alheia. “A pinta já foi se escalando pro churras.”
  • Tabacudo — Sujeito abobado, mangolão, tanso.
  • Te liga — Usado para chamar a atenção do indivíduo. “Te liga, magrão”.
  • Um pé lá e outro cá — Advertência, geralmente usada pelas mães, para avisar a criatura para não se demorar, porque senão vai ter.
  • Varzeano — Adjetivo pejorativo para suburbano, quase um chinelão. De origem futebolística, provavelmente.
  •  

    Fonte: Prof. Jânio, disponível em: <<http://cursodeportugues.blogarium.net/expressoes-portoalegrenses/>>

    Este post tem um comentário

    1. Bha, tri massa, se criô nessa bagaça…..

    Deixe uma resposta

    Fechar Menu