Itaguaçu

Pontal de Santa Joana

Alt. 570m

Foto: Pontal de Santa Joana de outro ângulo. A via trascorre pela aresta da direita.

Tradicional

Atualizado em: 18/07/2019

Distância

160km

Caminhada

10min.

Face

Sudoeste

Livro de cume

Não

Como chegar

Saindo de Vitória, siga em direção ao norte do Estado pela BR-101. Em João Neita, entre na BR-259 em direção à cidade de Colatina.

Atravesse a cidade de Colatina em direção ao bairro Luiz Iglesias, sempre margeando o Rio Doce pela margem direita. Cruze o bairro e siga pela estrada de chão por mais 7km até encontrar um entrocamento. Vire à esquerda e siga em direção a Itaguaçu. Passando por Santa Joana. No trevo de acesso à Baixo Guandu, vire à direita e siga por mais 3,5km até encontrar um acesso à direita por estrada de terra. Siga por mais 3,3km pela estrada de terra e vire à direita entrando por dentro de um grande vale. Siga pela estrada até encontrar uma entrocamento a 1,2km à direita. A depender do tipo de carro e das condições da estrada, o trecho seguinte poderá estar intransitável para veículos de passeio. Suba pela estrada secundária (1km) até a propriedade do Sr. Sérgio e solicite passagem. Pergunte também qual o melhor acesso até a base da via. Se o carro conseguir ir até o final da estrada, a caminhada é de menos de 10 minutos até a base da via.

A via transcorre pela aresta da direita, face sul. Para acessar a base, caminhe costeando a pedra até a crista da pedra. Da base é possível ver algumas chapeletas à esquerda de um pequeno diedro. 

Mapa

Filtrar por

4/5

Engenheiros do Cruzeiro

4o, VI SUP, D2, E3, 375

Data da conquista

01/09/2018

Conquistarores

Brunoro, Caio Afeto, Jonny e Naoki Arima

Equipos

2 cordas de 60m; 6 costuras (algumas longas); Material para parada.

Croqui

Descrição das enfiadas

OBS: acessando a base da via pela crista oeste.

Acessando pela crista oeste da pedra, a via começa no final da segunda enfiada, onde há um platô de mato. Dali até a P2 são aproximadamente 10m em terreno fácil que pode ser acessada sem corda. Parada dupla em chapeleta galvanizada.

3a enfiada – A enfiada segue à direita protegendo em duas chapeletas galvanizadas e o restante em chapeleta de inox até a parada que fica no início do trecho mais vertical. 50m. V.

4a enfiada – Enfiada curta e vertical que sai pela direita usando uma espécie de laca e depois segue levemente para esquerda e depois à direita contornando a vegetação pela esquerda. 30m. V SUP.

5a enfiada – Enfiada de 60m onde o crux está na navegação devido a presença de vegetação que impede a visualização das proteções. A enfiada segue reto para cima com leve tendência à esquerda até encontrar uma parede mais vertical. Neste ponto, faz-se uma travessia à direita onde há duas chapeletas próximas. Depois a enfiada volta à esquerda em travessia num longo esticão. A próxima proteção está escondida atrás da vegetação. 60m. V.

6a enfiada – Escalada fácil com apenas 1 proteção. A enfiada segue praticamente reto para cima. 60m. II.

7a enfiada – A enfiada segue no mesmo estilo da anterior. Na saída, seguir pela linha de agarras em diagonal à direita e depois segue reto para cima. A parada está uns 50m antes do cume.

Descida – Descida pela via com duas cordas de 60m.

 

Read more