Itaguaçu

Pedra Paulista

Alt. 1100m

Atualizado em: 02/01/2021

Tradicional

Como chegar

Saindo de Vitória tome a saída norte pela BR-101 até Fundão (km 5o) e logo em seguida a ES-261 em direção à Santa Teresa (km 78). De Santa Teresa siga em direção a Itaguaçu passando por Itarana (km 120). Assim que entrar em Itaguaçu (km 130) siga pela principal até encontrar a avenida com um canteiro central (Av. 17 de Fevereiro). Vire à direita na avenida, logo em seguida à esquerda e depois à direita novamente, seguindo as placas que levam a São Roque. Siga por essa rua que logo adiante fica sem pavimento até o primeiro entroncamento (km132), tome à direita e 4km adiante, vire à direita numa saída que fica logo após a capela (km 136). Cuidado para não passar essa entrada! Siga sempre por essa estrada. A essa altura a pedra já é visível à esquerda. O carro pode ficar junto à estrada e o estacionamento vai depender da via que for entrar (km 146).

Alternativamente, existe a possibilidade de ir por São Roque do Canaã, passando por Santa Teresa. Esse caminho é mais perto, mas no trecho final há uma subida e descida de serra que a depender das condições da estrada e do tipo de carro, poderá ser um problema.

Filtrar por

A Pedra Paulista é um imponente maciço de rocha que desponta na paisagem. Na sua aresta sudoeste transcorre a via “Nada é o que parece ser”, uma das maiores vias do Estado. Já na face norte, junto ao totem do “Dente”, há duas vias curtas em móvel. Mais recentemente foi conquistada uma nova via nesta face que transcorre pelo grande totem suspenso, a via “Despedida de Solteiro”.  

Sumário

Clima

Série Histórica de Precipitação Mensal (Itarana)

Série Histórica de Temperatura Mensal (Itarana)

2/5

Nada é o que parece ser

4o, VI, D3, E3/4, 800m

Data da conquista

21/06/2010

Conquistarores

Hermes Soldado, Marcos Tatu, Oswaldo Baldin, Paulo Henrique PH

Equipos

Uma corda de 60m; 7 costuras, sendo algumas longas.

Para ler o relato da conquista, clique aqui!

Para ler o relato da repetição, clique aqui!

Para ver o croqui detalhado na croquiteca da ACE, clique aqui!

Totem Do Dente

5/5

Fio Dental

5o, V SUP, D1, E2, 90m

Data da conquista

07/04/2013

Conquistarores

Luca Portilho, Pietro Muriqui, Sandro Souza e Jakson Porko

Equipos

Duas cordas de 60m; 2 jogos de Camalot até 4.

Para ler o relato da conquista, clique aqui!

Para ler o relato da primeira repetição, clique aqui!

Para ler o relato da 3a repetição, clique aqui!

O melhor lugar para deixar o carro é num terreno de café “abandonado”.  Depois é só cruzar a cerca e ir subindo em direção à pedra. Assim que chegar na pedra, quebrar à esquerda em direção ao totem.

1a Enfiada – Há três opções de saída para via:

1 – A conquista original começou a via num ponto bem alto, no primeiro mato (“Parada Móvel Opcional” na figura acima). É possível começar a via um pouco mais abaixo, “Parada Natural”, caso o trecho inicial esteja molhado. Mas sob condições normais é possível ir solando um bom trecho (2a parada).

2 – Variante. Outra possibilidade é subir até a “Parada Móvel Opcional” (vide figura acima) e, em vez de subir pelo diedro em direção à árvore, fazer uma pequena travessia à esquerda para pegar a fenda desde o início.

3- Opção runout – Esta opção é a mais limpa de todas, porém um pouco mais exposta. A escalada começa na  “Parada Natural” – vide figura – e segue pela esquerda do diedro sujo esticando aproximadamente 35m de corda sem proteger em nada até o começo da fenda frontal.

A enfiada tem uns 50m de extensão e é toda protegida em móvel. Por isso é bom gerenciar bem as peças para não acabar faltando no final. De forma geral, a fenda começa estreita (fissura de dedo) para depois ir aumentando progressivamente até virar uma fenda de punho.

A P1 é em móvel  (Camalot #3 – #4) ou em árvores numa área bem sombreada.

 2a enfiada – Começa seguindo a mesma fenda frontal que vai diminuindo progressivamente até desaparecer. Depois, entra num lance em placa até chegar no grampo branco para depois fazer uma pequena travessia à esquerda em direção ao segundo grampo. Depois é só subir pelo diedro, proteger na fenda horizontal e tocar para cima.

P2 – P1 = 35m – Cuidado com a árvore que for escolhida para o rapel. Há muita árvore fraca ou podre.

P1 – P0 = 55m – Descer o máximo que der e desescalar o resto. Ou fazer um terceiro rapel usando as árvores até o chão.

Outra opção de descida é fazer um rapel curto do cume até o grampo branco da segunda enfiada e depois descer o máximo que puder até a base e desescalar o resto.

Caso esteja usando duas cordas de 70m é possível descer do cume até a base em um rapel único, no entanto, é preciso desescalar os metros finais (fácil).

Mais betas

  •  A via fica voltada para a face norte e pega sol o dia inteiro. Uma boa estratégia é entrar no final do dia para evitar o calor;
  • O tempo médio para a repetição (subida mais a descida) é na ordem de 3h, escalando tranquilamente.
5/5

Despedida de Solteiro

5o, VI SUP, D4, E3, 653m

Data da conquista

06/08/2020

Conquistarores

André "Tesourinho", Eric Penedo, Cosme Manenti, Naoki Arima

Equipos

Uma corda de 70m; 1 jogo de Camalot de #.5- #4 (#5 opcional). 11 costuras (sendo algumas longas).

logo_ace
Parte do material utilizado nesta conquista foi subsidiado pela Associação Capixaba de Escalada que disponibiliza aos sócios proteções fixas para conquista.
bonier-logo

1a enfiada – a via começa numa fenda/calha que progressivamente vai ganhando inclinação e aumentando de tamanho. No meio da canaleta há um bloco solto que requer atenção. Quando a fenda sumir, saia à direita pela face da pedra e depois à esquerda em diagonal até a P1. 55m, V SUP.

2a enfiada – A enfiada segue em diagonal à esquerda com um crux bem definido um pouco antes da travessia. A parada está dentro da calha d’água. 50m, V SUP.

3a enfiada – Enfiada segue em leve diagonal à esquerda subindo à esquerda da calha d’água. O crux está no esticão que leva à parada. Parada desconfortável. 50m, V SUP.

4a enfiada – A enfiada sai à direita em travessia para ganhar a aresta gorda (crux) e e depois segue para cima até ganhar a calha que leva ao platô. Parada natural em árvore. 40m, VI.

5a enfiada – A escalada segue pela chaminé óbvia iniciando num pequeno totem protegido em móvel. Na chaminé há proteções fixas. Na primeira obstrução, a via sai à direita por fora da chaminé até ganhar o platô onde está a parada. 40m.V.

6a enfiada – A enfiada começa por fora da chaminé e após a virada do negativo, entra na chaminé de meio corpo e segue até o platô onde está a P6. 40m, V.

7a enfiada – A via segue pela chaminé que progressivamente vai se estreitando. Neste trecho, as proteções são em chapeletas galvanizadas até o início da 9a enfiada. A uma certa altura, saia do diedro e ganhe o dorso do totem onde está a parada. 45m. V.

8a enfiada – Enfiada curta de 30m que começa em fenda frontal protegida em móvel e depois segue em diagonal à esquerda até um pequeno platô. V.

9a enfiada – Enfiada longa e contínua em agarrência com um crux definido na virada do primeiro trecho mais inclinado. Depois segue em travessia à direita para voltar novamente à esquerda em diagonal. A parada está à direita de uma laca suspensa. 55m. VI SUP (resistência).

10a enfiada – Enfiada no mesmo estilo da anterior, porém o crux está nos metros finais, na diagonal à direita. Enfiada longa, continua e extenuante. 55m. VI SUP.

11a enfiada – A partir deste ponto, a pedra perde inclinação e a escalada voltar a ficar mais fácil. Enfiada fácil, porém com proteções esparsas. Caso esteja escalando com uma corda de 60m há possibilidade de ter que sair à francesa. 63m, III.

12a enfiada – Enfiada sai à esquerda em diagonal com proteções esparsas. Mire à esquerda da muralha mais vertical. A parada está num platô nas bromélias. 60m. III.

13a enfiada – A primeira chapa está à esquerda a bromélia e pode ser difícil de visualizar. A segunda está no trecho onde a pedra ganha inclinação. Depois segue esticando levemente à direita. No primeiro platô a uns 30m, continue para cima até esticar a corda. A parada está no segundo platô, junto a um totem de pedra. 60m. III.

É possível descer pela via com duas cordas de 60m ou descer caminhando (1h). Vide mapa. 

Dicas

  • Face norte com Sol o dia inteiro. Altamente recomendável entrar no inverno!
  • O Camalot #5 é opcional. Se estiver familiarizado com chaminé, pode deixar-lo em casa para poupar peso;
  • Uma dupla bem alinhada consegue escalar a via em um dia bem cheio na parede. Caso contrário, um bivaque na P6 é uma boa opção para escalar mais devagar.
  • Nas enfiadas mais longas, gerencie bem o atrito, use costuras longas (60cm);
  • Caso opte em descer caminhando, estude bem a volta.