Safari fotográfico pelo oeste americano

Pôr do sol no Hopi Point, Grand Canyon, AZ.

Nas últimas duas semanas, passamos, eu e a minha noiva Paula, percorrendo os principais Parques Nacionais do oeste americano (Grand Canyon, Bryce Canyon, Zion e Death Valley).

Las Vegas

“Vegas” foi o nosso ponto de partida. Quando contei para a minha mãe que iríamos para Las Vegas ela disse: O que vai fazer lá? Las Vegas não é a tua cara! E sabe como é mãe, ela sempre tem razão! Las Vegas é uma cidade artificial no meio do nada. Uma cidade pomposa, opulenta, luxuosa e acima de tudo suntuosa. Acho que é o lugar com a maior quantidade de limusine por metro quadrado do planeta. Os hotéis e cassinos são um luxo só, mas assim como a cidade, todas as atrações são super artificiais. Os principais hotéis/cassinos são espaços temáticos que imitam Paris, Veneza, Roma, Nova York… Tudo fake! Está certo que as cópias são bem feitas, o Cassino Venezzia é uma ícone da engenharia, mas ainda assim é uma cópia…. A impressão que tive é que estava numa grande camelôdromo onde tudo era imitação. E para contextualizar melhor ainda, tinha chinês por todos os lados…

Para não ser tão injusto com a cidade que não dorme nunca, pelo menos o grande chafariz do Hotel Bellagio é bem autêntico e bonito. O chafariz é totalmente controlado por computador e funciona conforme o ritmo da música. Um belo espetáculo!

Grand Canyon

Deixamos Vegas para quem realmente curte aquele estilo de vida playboy e partimos para o famoso Grand Canyon. O Grand Canyon para quem é geólogo como nós, é quase um lugar sagrado. Todos os livros de sedimentologia e estratigrafia reservam um bom espaço para falar de Grand Canyon. Teorias e modelos importantes foram estabelecidas lá. Então visitar o Grand Canyon foi como mergulhar nos livros de geologia.

Já sob o ponto de vista da fotografia, Grand Canyon está entre os lugares mais fotografados do mundo. Talvez só perca para o Coliseu de Roma… Não há um metro quadrado que não fora fotografado antes, por isso fazer uma boa foto lá é super complicado. Ainda mais nessa época do ano que enche de turistas com aquelas point-and-shot e saem fotografando tudo que veem pela frente sem ao menos saber o que estão fotografando porque parece que o mais importante é registrar tudo que vê pela frente. Pobres mortais…

Dentro de tantas belezas naturais esculpidas pelo Rio Colorado, o que mais me chamou a atenção foi a estrutura do parque. A gente não fica com uma ponta de inveja, a gente morre de inveja, principalmente quando a gente lembra dos nossos parques nacionais (estaduais e municipais) jogados às traças. É claro que lá também nem tudo são flores, há problemas e ações que são no mínimo questionáveis, mas no geral são super-organizados e eficientes. O centro de visitantes, não só do Grand Canyon como dos outros parques, é o maior exemplo de organização e gerenciamento da informação. Lá dentro há um grande painel atualizado constantemente com todas as informações do tempo, das condições das trilhas, hora exata do nascer e pôr-do-sol e muitas outras informações. Ás vezes, até lembra um pouco um centro de controle militar….

Outro aspecto que me deixou chocado foi o mercadinho que tem dentro do parque. Se você chegar de cueca e um cartão de crédito no parque, der a louca e quiser fazer uma trilha no dia seguinte você encontrará tudo, absolutamente tudo no mercadinho (mochila, barraca, roupa, panela, saco de dormir, bota, comida, bebida…). Para quem foi totalmente prevenido, pensando que não ia achar nada, aquilo foi impactante…

Bryce Canyon

Deixamos os turistas um pouco de lado e fomos nos refugiar num lugar menos main street, o Bryce Canyon. Esse é outro lugar de uma beleza ímpar que tem uma das paisagens mais incríveis que eu já vi. O local é um grande desfiladeiro de arenito crivado de agulhas que desafiam a gravidade. O lugar é incrível, mas um pouco batido. Após algumas horas tudo fica meio parecido e sem graça. Mas logo, nós descobrimos que o grande astral de Bryce está na fauna local. Há muitos esquilos, lagartixas, veados e falcões a solta na região. Um prato cheio para quem curte ouvir o silêncio e se deixar levar pelos sons da natureza.

Final do dia no Bryce Point, Bryce Canyon, UT.

Zion

Se no Grand Canyon a gente tem a oportunidade de ver tudo de cima, é em  Zion que a gente consegue ver o mundo de baixo para cima, pois o grande barato de Zion é passear por dentro do canyon curtindo os imensos paredões de arenito avermelhado. Alias, Zion é o destino dos bigwaleiros de plantão que se aventuram pelos incríveis sistemas de fenda que cortam as paredes vertiginosas. Às vezes, me pegava viajando pelas linhas pensando nas possibilidades de se escalar por uma determinada linha, pensando se já tinha via ou se era algo virgem. Ficava pensando no rack… Uma viagem só.

Mas Zion é mais que big wall, é também onde fica o arenito eólico mais famoso do mundo, o arenito Navarro. Assim como o Grand Canyon, 10 em 10 livros de sedimentologia fala desse famoso arenito. Embora tenhamos bons exemplos no Brasil, é preciso admitir que esse arenito é absolutamente incrível.

Família de esquilo (Rock Squirrel). Zion, UT.

Death Valley

O Death Valley foi a grande surpresa da trip. Foi um lugar que não tinha botado nenhuma fé e no final foi o lugar que achei mais impressionante. A primeira impressão foi impactante, quente, sufocante, desesperadora. Depois de rodar 6h na proteção do ar-condicionado, descer num lugar em que temperatura estava na casa dos 45 graus a sombra às 17h foi brutal. A primeira coisa que pensei foi: o que estou fazendo aqui? O que vou fazer nesse inferno 2 dias? Mas aos poucos fomos nos acostumando com o lugar e descobrindo as belezas do Vale da Morte. Depois, percebemos (ou nos conformamos) que o calor infernal faz parte da atração do local. Assim como muita gente gosta de sair do nordeste no inverno para passar frio em Gramado, no Death Valley o pessoal gosta de curtir um calorzinho de 47 graus. Mas Death Valley não é só calor, há diversas atrações geológicas interessantes. O único porém é que as atrações são bastante distantes uma das outras. Lá, 10 milhas (15km) é logo ali; 30-40 milhas (50-60km) é default; e 100 milhas (150km), um pouco mais adiante.

A grande atração do Vale é o Badwater, o ponto mais baixo dos Estados Unidos que fica a 82m abaixo do nível do mar. Um lugar espetacular e indescritível, principalmente no final do dia.

Como acampar no Vale da Morte em pleno verão seria divórcio na certa, resolvemos ficar num dos “oásis” que tem no vale. Esses oásis são locais povoados que contam com uma infra-estrutra mínima: um posto de combustível (inflacionado), um mercado (também inflacionado), um restaurante e um hotel. Nós ficamos num que se chama Paramint Spring Resort, bem à oeste do parque. O lugar é um pouco contramão, mas foi o lugar mais aconhegante e bacana que ficamos nessa trip (tirando Vegas). O lugar é super root, super velho oeste, mas tem uma cama decente, um chuveiro quente (?!) e uma excelente comida. Esse foi o lugar que me senti menos nos  Estados Unidos em toda a trip. Parecia que estava num hostel em algum lugar do norte do Chile. Um lugar mágico e muito frequentado pelos gringos (tipo nós).

Quanto às fotos do safari, ainda estou terminando de baixar e fazer a triagem. Dessa vez consegui conter bem o dedo e cliquei bem menos. Foram umas 450 fotos em 2 semanas. Aprendi a me policiar e não sair fotografando à esmo. Consegui chegar a ponto de ver a cena, enquadrar e na última hora não fazer a foto por ver que não ia ficar boa a foto. Acho que esse foi o grande aprendizado fotográfico dessa trip, pensar mais antes de clicar.

Enfim, assim que conseguir separar o joio do trigo postarei mais umas fotos!

Badwater (panorâmico), Death Valley, CA.

Postagens relacionadas

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.