As fendas de Burarama

No último sábado, Lissandro, DuNada e eu fomos conhecer o setor das “Fendas de Burarama” em Cacheiro de Itapemirim.

Esse pequeno setor de escalada móvel, que conta com apenas três vias, foi desenvolvido no ano passado pelos escaladores Gillan, o próprio DuNada e Chuck.

Embora a aproximação seja ridícula, porque basta estacionar o carro na beira da estrada e atravessá-la para outro lado, é preciso rodar 190km de carro da Capital (3h).

Mesmo assim saímos de Vitória sem muita pressa pois o setor, além de ter poucas vias, fica na sombra somente à tarde.

Passamos pela cidade de Cachoeiro, pegamos o DuNada e chegamos na base do setor por volta das 10h30.

Ainda na estrada, já na altura de Guarapari notamos várias poças de água ao longo da estrada, indicando que choveu bem de madrugada, mas como estávamos a mais de 2h do pico, não ligamos muito. Depois que pegamos o DuNada e começamos a entrar nas estradas vicinais, notamos que as poças persistiam, o que nos deixou um pouco apreensivos. Olhando as montanhas em volta, dava para ver as montanhas chorando, confirmando que a chuva da noite passada fora bem intensa. Depois fui conferir os dados das estações e parece que choveu por volta de 15mm durante a madrugada.

Chegamos no setor e logo notamos que a via Obrigado Brunoro (VI) estava com um escorrido de água na parte inicial, então resolvemos iniciar os trabalhos na via Oposição Falcão Azul (V SUP) que já estava na sombra e seca. A Oposição Falcão Azul transcorre por um diedro largo onde os Camalot #5 fazem a festa. É uma escalada tranquila, embora um pouco suja por causa das fezes de morcego com um trecho final mais quebradiço (blocos soltos).

Diedro da “Oposição Falcão Azul”.

Depois fomos conferir a via “F3” que significa “Fenda Fácil Fake” que começa numa horizontal e depois vai inclinando até pegar uma segunda fenda de dedo onde fica o crux da via. A galera deu VIIa para via, mas acho que VI seja um grau mais do que justo. Comparando com a terceira enfiada da Serenity Crack (5.10d – 6b BRA) (Yosemite) que lembra, com muito esforço, o estilo, essa via é muito mais fácil.

Por fim, voltamos à fenda “Obrigado Brunoro” que a essa altura já estava mais seca. Sem dúvida, das 3 vias do setor é a melhor! Para quem curte uma chaminé em diedro fechado é um prato cheio! Acho que o crux da via é saber gerenciar as peças, pois o #.75 faz sucesso, e quanto mais #.75 tiver melhor. Levei 2, mas 3 ou 4 iriam deixar a escalada bem mais agradável. Pena que há dois pontos de descanso bem distribuídos aos longo da escalada que dão uma aliviada para os pés, porque se não tivessem… Ai a escalada seria bem mais interessante e intensa!

Lis na chaminé da “Obrigado Brunoro”.

De fato o setor é bem interessante considerando a realidade da escalada esportiva tradicional capixaba. O inconveniente é que o setor fica muito distante da capital e umas das vias exige Camalot #5 repetido (ou um #6). Talvez a estratégia seria combinar esse setor com outras escaladas da região. Nesta página há um mapa com todos os picos de escalada do Estado onde é possível ver outras opções no entorno de Burarama. Fica a dica!

Montanhas da região de Estrela do Norte.

Comentários

Uma resposta em “As fendas de Burarama”

Vocês tem que vir de Vitória para tirar o Dunada de casa pra escalar hehehehe
Só você consegue essa proeza Naoki kkkk

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: