História da Sauro

A história mostra que tudo que não fica registrado se perde no tempo. Esse é um dos motivos pelas quais mantenho este blog. A gente sempre acha que a nossa memória é infalível, mas a verdade é que somos incapazes de guardar tudo. Ou você se lembra o que almoçou nesta mesma data no ano passado? Ainda mais numa época onde somos constantemente bombardeados por informações fúteis e o “HD” fica cheio todos os dias.

Por isso resolvi escrever sobre a história da Agarras Sauro, pois notei que eu não tenho isso registrado.

Atualmente a Agarras Sauro é tocada pelo escalador Thiago Balen (RS) que tem se dedicado a fabricar volumes texturizados de excelente qualidade, mas essa história começou bem antes…

A Agarras Sauro foi fundada por mim no segundo semestre de 2001. Infelizmente eu não consegui achar a data exata, essa info se perdeu na história. Mas o ponta pé inicial foi com o lançamento do jogo “Genesis”, um conjunto de 6 agarras com pegas variadas.

Jogo Gênesis, primeiro lançamento da Sauro em 2001.

A marca surgiu com o intuito de suprir uma deficiência do mercado em relação às agarras de escalada no Rio Grande do Sul que naquela época era dominada pela marca Jander. Além disso, ainda tínhamos algumas agarras de fora do Estado como as agarras do Pita (RJ) e Glauco (RJ), mas sempre a preços bem proibitivos para nossa realidade. Ou pelo menos para minha, de universitário.

Naquela época, mais difícil do que “shapear” agarras era entender o processo de fabricação que consistia em dominar três passos: a fabricação do protótipo em espuma; elaboração do molde de silicone; e a mistura de resina com carga mineral para fazer a agarra em si. Numa época, onde a internet ainda estava numa fase bem embrionária, descobrir esses segredos da indústria foi o maior desafio. Até hoje, há muito segredo industrial nos processos de fabricação. Embora haja muito material na internet, o “pulo do gato” mesmo, ninguém conta.

Textura e cores da Sauro. Naquela época, a moda era fazer esses efeitos com corante.

No início, algumas pessoas modelavam o protótipo em argila ou massa de modelar; depois descobriam a espuma de floral e por fim surgiu a espuma de poliuretano que é amplamente utilizado até os dias de hoje. O grande segredo da espuma de poliuretano é saber preparar a espuma, uma vez que ela é fabricada a partir da mistura de 2 componentes que são altamente sensíveis a proporção, temperatura, pressão e umidade. Confesso que não dominei essa técnica até o último dia da Sauro, às vezes conseguia uma espuma boa, outras vezes, saia uma espuma horrível, que deixava a agarra muito áspera.

Trabalhando na modelagem de novas agarras em espuma.

O segredo do molde de silicone estava mais na questão do custo, pois o silicone era o produto mais caro e eu sempre buscava usar o mínimo de silicone para fazer um único molde e assim aumentar a margem de lucro. Mas ao longo do tempo descobri que usar silicone de qualidade (importada), mais cara, era vantajoso se eu quisesse ter moldes mais duráveis. No ano passado, quando fui visitar o Balen em Caxias, ele me mostrou alguns moldes de silicone de 12 anos atrás em plenas condições de uso!

Já a questão da resina era outro aspecto que impactava diretamente nos custos e na margem de lucro, por isso investi bastante em pesquisa, mas nunca consegui chegar aos padrões gringas, principalmente por causa do preço elevado (impostos) da resina que é a base de petróleo.

Na época que eu fundei a Sauro, eu era estudante universitário que vivia de bolsa (R$ 254,00) e complementava a renda fazendo essas agarras, então tudo era muito contadinho no início. Por isso, qualquer teste ou experimento errado pesava muito no meu bolso. E isso foi um dos fatores pelas quais o processo de fabricação demorou para evoluir. Por outro lado, serviu para aprender a pensar antes de fazer qualquer teste. Com o tempo, fui aumentando a gama de agarras e aos poucos fui conseguindo ter algum retorno financeiro e domínio sob as técnicas de fabricação.

Fábrica da Sauro em Ivoti.
A fábrica.

O grande boom da marca foi por volta de 2004 quando comecei a “exportar” agarras para fora do Estado, numa fase embrionária do e-commerce. Naquela época, a pessoa fazia o pedido por e-mail, depositava a grana na minha conta e eu mandava pelos Correios. Nessa fase, às vezes entrava pedidos tão grandes que cheguei a pagar o meu amigo Chico para passar um dia inteiro fazendo agarras para suprir a demanda. Até mesmo a Paula, minha namorada na época, chegou a me ajudar num desses pedidos grandes.

Com o aumento do fluxo em caixa, passei de “apoiado” a apoiador. Lembro que ajudei alguns escaladores com agarras para seu muro de treinamento, assim como ajudei financeiramente em algumas produções “cinematográficas” e principalmente apoiando diversos campeonatos regionais.

Campeonato de Boulder Comitê em Ivoti. Escalador Guilherme Zavaschi no boulder da final.

Também foi nessa época que criei o site agarrassauro.com para “alavancar” as vendas. E dentro do site, além do catálogo de agarras, tinha uma seção de notícias, onde postava as escaladas da galera, assim como publicava algumas entrevistas e fotos. Recentemente, resgatei esses arquivos num backup e publiquei novamente aqui para ficar como registro histórico da escalada gaúcha.

Também foi nessa fase que estudei mais a fundo sobre diagramação de web, linguagem html e e-commerce. Sou muito grato ao Pedro e Arthur Derosa que me ajudaram bastante nessa parte.

Embora eu fosse o “CEO” e único funcionário da Sauro, sempre tive muito apoio dos meus amigos, principalmente do Chico que sempre me ajudou na fabricação das agarras (era ele quem lixava a agarras). E o Toni que me era uma espécie de “consultor” para ideias viajadas.

Já a logo do lagarto nasceu antes das agarras. Até onde me lembro, o primeiro esboço nasceu nas mão do meu amigo e futuro colega de profissão Tiago Agne que numa daquelas aulas chatas do 2o grau (hoje ensino médio) fez o primeiro protótipo lá pelos idos de 1997. E quando nasceu a ideia de fazer agarras, resgatei o esboço e fiz primeira logo que mais tarde recebeu alguns “upgrades”.

Logo da Sauro.

No final de 2007, quando fiquei sabendo que me mudaria para o Rio de Janeiro a trabalho, vi que não teria como manter as agarras e acabei vendendo a marca e todos os moldes para os escaladores Thiago Balen e Matheus Correa numa transação milionária que só foi possível após a aprovação do CADE. Ok, não foi tão milionária assim.

Detalhes das agarras de soberbo.

Desde então, os dois têm tocado a marca, lançando algumas agarras e mais recentemente se dedicando à fabricação de volumes de escalada que estão presentes nas melhores academias do Brasil e nas competições nacionais.

Embora não seja mais detentora da marca, sempre acompanho e converso com o Balen e o Mateus sobre a marca, pois durante o tempo que fiquei a frente da Sauro aprendi muitas coisas que levo até hoje para minha vida. Sempre me dá muita satisfação ver por ai, as agarras da Sauro ainda sendo usada nos muros de escalada pelo Brasil a fora. Eu mesmo, continuo treinando em algumas agarras até os dias de hoje e acho muito legal.

Aliás, ainda hoje fico garimpando as minhas agarras para comprar de volta alguns modelos! Alguém tem agarras ai?

Área de test-drive da Sauro, só com as agarras da marca.

Postagens relacionadas

Comentários

Uma resposta em “História da Sauro”

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: