Maratona de escalada

Final do dia no Grupo 3, Serra do Cipó-MG. Há 10 anos, sempre que vou ao Cipó faço essa foto, mas jamais consegui expressa numa foto a sensação de estar diante dessa pedra incrível.

Às vezes, ficava entediado no escritório pensando: poxa, que sol lá fora, quem me dera passar uns 5 dias escalando até não aguentar mais… Já pensou?

Pois é, virou realidade! Quarta-feira de feriado nacional, 5a feira de feriado local, 6a feira enforcada, sábado e domingo! Cinco dias de escalada e zero de descanso.

Foi com esse espírito que o bonde capixaba rumou à Serra do Cipó para simplesmente, escalar, escalar e escalar…

Saímos na 4a feira, às 4h da madrugada, eu e o Felipe (Alves) num carro, o Xerxes, a Luciola e o Sandro num outro e o Zé e a Tuta no terceiro. Rodamos 10h até o Cipó e chegamos por volta das 14h no Abrigo Cipó. E o que uma pessoa normal faria depois de 10h de estrada? Pois é, mas nós estávamos tão na pilha que botamos a mochila nas costas e com a desculpa de relaxar um pouco, fomos dar uma escaladinha no Grupo 3. Não preciso nem dizer que foi um desastre… Mas pelo menos demos “uma relaxada”.

Abrigo Cipó com o recém inaugurado chalé 3 à direita.

Luz da manhã.

Que preguiça…

Hibiscas.

No segundo dia, o Felipe saltou da cama às 6h e às 7h estava prontinho para o climb! Frenético total! Acho que às 8h todos nós estávamos a caminho do Grupo 3. Nesse dia fomos conhecer o mais novo setor do Cipó, o Perseguido (ou Perseguida). O setor conta com 5 vias (6o, 7o e 3 oitavos), todas acima de 25m. Todas as vias são incríveis, sem exceção! E o melhor de tudo, o setor ficar num corredor que venta muito e com sombra o dia todo. Tudo que nós queríamos naquele calor escaldante!

No terceiro dia, acordamos morgados! A perseguida acabou conosco! Tentei a Psicose (9b) sem sucesso e o Felipe batalhou a Pressão na Oposição (9b), também sem sucesso.

Felipe no primeiro crux da Pressão na oposição (9b).

Ah sim, na noite anterior deu a louca no Rebit e ele literalmente veio voando até o Cipó para se juntar a trip e tentar o karma dele, Morfina que também ficou para próxima vez… Mas em compensação o Zé e o Xerxes mandaram a Busanfa (8a) após um dia de muito trabalho!! Alias, foi o primeiro 8a do Xerxes! Difícil foi aguentar ele depois…

Tecnicamente a foto ficou uma b%$##, mas vale pelo registro do garotinho que deixou de ser coroinha.

Tá doendo? Xerxes relaxando após um longo dia de escalada.

No quarto dia, o Felipe já não foi o primeiro a acordar (foi o último), alias ninguém conseguiu acordar cedo. A galera estava na derrota total. Rastejamos para fora do abrigo e rumamos ao Sítio do Rod para um dia mais light, ou não…

Como eu estava com umas dores nas costas e no pescoço por causa de uma aterrissagem mal sucedida do dia anterior, tive que pegar mais leve e fiquei curtindo umas vias mais tranquilas e fazendo alguns registros.

Sandro Almeida trabalhando Heterosapiens (10b) com Drosa na segue.

Muito seco…

Rebit fechando a via Gaibous in the Laibous (7b). Sítio do Rod. Baita luz!

Galera fritando… Detalhe para o ânimo da galera após 4 dias de climb!

À noite, caimos para o Abrigo da Lapinha, um lugar muito maneiro que fica perto da Lapinha. Chegamos tarde no abrigo e saímos cedo no 5o e último dia de climb! Objetivo do dia? Lapinha! Desde a reabertura da Lapinha há uns meses atrás, há uma série de regras para poder escalar lá. Começando que o local abre apenas aos domingos se só pode entrar 40 escaladores por dia. Por isso tivemos que acordar cedo para garantir a vaga!

Abrigo Lapinha

Palha dourada.

Esquilinho comendo uma amora.

Como todos nos estávamos na capa da gaita, 3h foram mais do que suficientes para acabar com o resto de nossas energias, menos para o Felipe que tirou força de sei lá onde para mandar à vista a via Realidade Sobreposta (8b).

E depois de fechar com chave de ouro, só nos restou mais 10 horas de estrada até Vitória…

Sempre que vou ao Cipó fico me perguntando o que aquele lugar tem de tão mágico que atrai tantos escaladores do Brasil e do mundo inteiro. E toda vez que vou lá saio com uma teoria nova. Dessa vez eu acho que a resposta não está nas pedras ou nas vias, mas sim nas pessoas. Tive a sensação de que a magia do lugar está nas pessoas lá frequentam e que compartilham boas vibrações. Parece que lá é a terra da alegria e da felicidade. Não vi pessoas estressadas, tristes ou deprimidas. Parece que toda essa aurea de energia positiva contagia as pessoas e torna do lugar tão incrível.

Já dizia o Poder, de nada adianta você estar no melhor setor de escalada do mundo se você não estiver cercado de bons amigos!

Falando em bons amigos, lembranças e agradecimentos aos membros do bonde capixaba, a Rafa e o Barão e ao meu fiel guia Fred Viana que sabe escolher via, mas não sabe indicar bons restaurantes… E também ao Palito e seu fiel amigo Fio dental pela CIA e betas quentes.

 

Este post tem um comentário

  1. Parabéns Naoki, mais uma vez com fotos sensacionais! Obrigado pelo click no que foi a via mais forte que já fiz em toda minha vida… Até agora! Valeu!!!

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Assinar blog por e-mail

Junte-se a 36 outros assinantes

Fechar Menu