Pelo litoral norte do ES

_DSC6711

Centro histórico de São Mateus.

O final de semana foi sem roubadas e escalada épica pelo interior capixaba. Digamos que foi muito mais cultural!

O Espírito Santo é um estado muito rico em história. E para quem curte a história do Brasil, é um prato cheio.

A cidade de São Mateus é o segundo município mais antigo do estado, depois de Vila Velha, e foi fundada em 1544. Possui como principal atração histórica o Centro Histórico na parte baixa da cidade.

Infelizmente o Centro Histórico de São Mateus, onde também fica o Porto de São Mateus está totalmente abandonado. Só tem essa fachada bonita para enganar turista (foto abaixo).

_DSC6713

Porta vermelha.

_DSC6716

Porto de São Mateus, ao lado do centro histórico.

Para quem não sabe, o Porto de São Mateus foi o principal portos da região durante o Brasil Colônia. Era por esse porto que a maioria dos escravos entravam no Brasil. Inclusive, foi por esse porto que entrou a última “carga” clandestina de escravos no Brasil em 1856.

Talvez por se tratar de uma questão tão delicada e vergonhosa da história do Brasil, o lugar esteja tão abandonado pelo estado. Alias, é um lugar triste que, até nos dias de hoje, carrega uma energia negativa e pesada no ambiente.

_DSC6742

Literalmente feito nas coxas!

Um pouco mais ao norte, já quase na Bahia, fica uma outra cidade famosa, Itaúnas, que também tem uma história muito interessante!

Itaúnas foi uma comunidade quilombola que se formou a partir dos escravos que conseguiam fugir da região de São Mateus e de índios Botocudos que habitavam a região.

No entanto, comunidade original não morava no local atual, eles viviam no outro lado do Rio Cricaré. Durante as décadas de 50 a 70, o desmatamento progressivo de uma grande faixa de mata nativa na porção norte da vila levou a remoção de toda a vegetação que segurava o solo, areia, e em conseqüência disso, levou a formação de dunas que aos poucos avançou em direção à antiga vila, forçando a retirada dos moradores para o outro lado do Rio Cricaré em meados da década de 70.

Para nós , Paula e eu, que somos do RS e crescemos vendo as dunas de Quintão, essas duas não são nada demais, mas o que realmente impressiona é ver quão a natureza é sensível à ação do homem. É um belo recado do que a natureza é capaz de fazer se nós não cuidarmos dela!

_DSC6723

Dunas de Itaúnas ao entardecer.

_DSC6720

Em bom geologuês, climbing ripples! 

_DSC6732

Dunas de Itaúnas.

Postagens relacionadas

Comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.