Coquetel de Força – FFA

No início de maio, a escaladora gaúcha Amanda Criscuoli realizou a primeira ascensão feminina da via “Coquetel de Força” (9b), no Campo-Escola Behne e se tornou a escaladora brasileira mais jovem (14 anos) a atingir essa graduação.

Foto: Fabiane Criscuoli

A via Coquetel de Força nasceu antes mesmo da “Amadinha” nascer. Por volta de 1997 o Behne já era um Campo-Escola relativamente conhecido entre os escaladores locais, mas naquela época, a maioria das vias eram escaladas em top rope, pois não tínhamos o domínio, nem o conhecimento técnico necessário para colocar proteções fixas em arenito poroso. Inclusive, a primeira ascensão da via foi feita com corda de cima e só mais tarde, quando foi equipada, a via foi escalada com corda de baixo. Nessa época, usávamos a parada da via “Ilusão Fatal” para o top rope e vínhamos escalando em diagonal. Naturalmente, se caísse nos primeiros metros era chão por causa do pêndulo e também se caísse do crux final seria outro pêndulo que era pior do que se caísse guiando.

Segundo meus registros, fiz o FA da via no dia 18/10/1998, que por sinal também foi o meu primeiro 9b. Teoricamente, essa é o primeiro 9b do Rio Grande do Sul. Na verdade, a via Filhote de Moso (Pudim) de foi graduada inicialmente como 9b pelo Guili, mas as repetições posteriores confirmaram 9c para via. 

Outro fato curioso sobre a via:  essa deve ser a única via do Brasil onde, os escaladores, por consenso, aceitam uma restrição que existe na via. Na verdade, a via é um “problema”, pois o grau 9b só é aceito se a pessoa escalar sem botar os pés ou as mãos na rampa que existe ao lado e que acompanha boa parte da escalada. Inclusive, em alguns pontos, a pessoa escala raspando na rampa. Vide vídeo no final do post. Em geral, a maioria dos escaladores não aceitam esse tipo de restrição e escalam usando tudo, mas nesse caso é muito raro ver alguém escalar a via usando a rampa. Eu mesmo nunca escalei usando a rampa e não faço nem ideia de qual seria a graduação no estilo “vale-tudo”.

Já o nome “Coquetel de Força” foi uma cópia descarada que fizemos da famosa via “Coquetel de Energia” (10c) que fica no Campo Escola 2000 no Rio de Janeiro. Na verdade, não existe nenhuma semelhança entre as vias, mas naquela época gostávamos de dar nomes copiando outras vias famosas, como a Biton que pegou o nome emprestado da via Triton (9a) – Itacolomi.

A Coquetel de Força possui diversas variantes, sendo a Coquetel de Vampiro (8b), aberta em 06/06/1999, ou seja depois do 9b, que evita o crux final, a mais famosa e clássica. E a Coquetel de Simba (9c) que é uma extensão da travessia final onde é preciso dar uma espécie de dinâmico para baixo. Essa linha foi conquistada em 03/07/2007 e é considerada a via mais difícil do Campo-escola.

Recentemente conversei com a Amandinha e fiz uma pequena entrevista, onde ela conta os detalhes dessa escalada.

Quanto tempo levou todo processo entre o primeiro contato e mandar a via?

Eu comecei em maio de 2020 na Conquetel de Vampiro (8b). Em junho, no mês seguinte, eu a encadenei. Em julho, eu entrei naquela que sai na “Vampiro” que a gente deu o nome de “Grito de Jordi”. Ela sai da “Vampiro faz a travessia e termina na “Jordi” que deram 8b. Em agosto eu mandei essa variante. Em outubro dei as primeiras entradas na Coquetel de Força. Só que nesse mesmo mês eu parei em função principalmente de campeonatos e não entrei mais. E ai entrou a Bandeira Vermelha, férias e viagens. Só em abril desse ano que voltei a entrar nela. Ai que realmente entrei para mandar. Em outubro só tinha entrado para reconhecer a via. E em maio mandei ela!!!!

 Teve que fazer algum treino específico para via?

Sim! Fiz vários treinos de resistência, principalmente com agarras pequenas (por causa do crux)! Eu contava a quantidade de movimentos da via e montava no muro uma via com um pouco mais de movimentos!

Qual a parte mais difícil da via pra ti?

Acho que o mais difícil mesmo foi “linkar” tudo! Eu chegava muito cansada depois do segundo crux (o positivo com agarras pequenas) e não conseguia entrar na travessia! Mas para dizer uma parte mais difícil acho que o segundo crux.

Foto: Fabiane Criscuoli

Por que escolheu essa via? Porque tem outras vias nessa graduação no Estado.

Acho que ela mais me escolheu do que eu escolhi ela hahahahh! Eu entrei na Coquetel de Vampiro por sugestão de amigos e me apaixonei pela linha e depois aproveitei para tentar a Coquetel de Força e me apaixonei ainda mais hahahah.

Qual foi o momento mais difícil nesse processo?

Acho que o mais difícil foi não desistir, muitas vezes eu ia e não conseguia progredir nada! Era super frustrante, então passar por isso foi bem complicado! Acreditar que eu conseguiria foi a chave para a cadena!

Foto: Fabiane Criscuoli

Como foi o dia da cadena? Foi esperado? Acordou e pensou: vai ser hoje?

Na verdade foi muito inesperado! Não achei que ia mandar naquele dia! Não fui para o setor com uma suuuper vibe, mas quando entrei na via tudo mudou, flui muito mas acabei caindo no final! Na segunda entrada eu já estava muito mais cansada e não achei que seria a cadena, mas acreditei e lutei muito e saiu! 

Parabéns Amandinha! Que venha outras conquistas!

Amanda tem o patrocínio e apoio de: Black Diamond, Columbia, Osprey, 4Climb, Buffalo Wax, Theia Inteligência Corporal, SBI Outdoor, Sauro Escalada, Muro PZ AGM e Cadena Agarras.

Comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.