“Eu sou a lenda” (melhorias)

^ Pedra do Limoeiro onde fica a via “Eu sou a lenda”.

No último final de semana fiz uma repetição em solitária da via “Eu Sou a Lenda”, no Distrito de Praça Oito em Itarana para atender uma antiga reivindicação: melhorar a P5 e colocar uma ancoragem na rampa de acesso à base da via.

P0 em móvel com dissipador para começar a escalada.
Selfie à moda antiga na P3. Nessa hora estava pensando por que fui inventar de levar somente 2L de água… Sede… Muita sede…
Parceiro silencioso!

Quando a via foi conquistada em 2013, a última parada, a P5, ficou em uma árvore. Tempos depois, quando uma turma fez a primeira repetição da via, relatou que a árvore da P5 não era segura devido ao fato de praticamente não ter nenhuma raiz firme. Voltei à via depois e constatei o fato e fiquei de voltar lá para bater uma parada dupla para “fugir” da árvore, mas sempre rolava aquela preguiça de levar a furadeira lá para cima. Então dessa vez resolvi fazer os furos à moda antiga, pois assim pouparia uns 3kg… O lado ruim é que levei quase 1h para fazer os dois furos, enquanto que na furadeira não iria demorar mais do que 60 segundos…

Fazendo a manutenção da P5.

Outro ponto de restauração foi a necessidade de melhorar um trecho da aproximação. Durante a conquista da via usamos outro acesso pelo flanco oeste da pedra. Tempos depois, após uma forte chuva que atingiu a região, um grande desmoronamento de terra criou um costão que leva direto à base da via. Com isso, a aproximação ficou “mais tranquila”.  Subir o costão não é tão problemático, desde que não se importe em fazer um solo de uns 100m em IIIo grau. O problema de fato está na descida, o primeiro trecho da descida é vencido com um rapel 70m, no entanto o crux está nos últimos 35m, onde a pedra fica mais vertical e a desescalada mais complicada. Com o tempo, o costão virou um caminho natural d’água e por vezes ele fica, em parte, molhado. Além disso, a pedra começou a ficar mais lisa ainda, comprometendo a aderência.

Enfim, o fato é que no último trecho, faltando 35m para acabar o costão, foi batido uma chapa de inox para fazer um rapel no lance mais complicado da descida!

Agora a via está um brinco para repetir, mas não agora! Porque o mato cresceu com a última chuva e está complicado fazer a aproximação, além disso, os carrapatos estão novamente à solta!!!!

Rampão de acesso.

Segue o croqui atualizado. Para ler mais sobre a via, clique aqui!

Postagens relacionadas

Comentários

3 respostas

  1. Deve ter dado um friozin na barriga fazer a saidinha pra chegar na 1a chapa em

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: