Excluídos, o retorno

No início do ano, relatei neste post que fui para o Setor Excluídos em Calogi para dar uma reativada no setor, fazendo manutenção das vias antigas e equipando novas linhas.

No último domingo, Lissandro, Yasmin, Eric e eu retornamos ao setor para “colher um pouco desse fruto e de quebra abrir mais uma linha.

Snapchat de um dia no setor Excluídos. Foto: Yasmin.

O primeiro projeto a cair foi a via “Guarda Costa” uma variante da “O Troco do Grego”. Essa via tem uma passada bem curiosa que consiste em passar por trás de uma árvore que fica colada na pedra, num movimento claustrofóbico e depois segue em toca-toca até a parada da “Canhoto Psicopata”, totalizando 18m de via. Basicamente é uma “versão estendida” da via “O Troco do Grego”. Sugeri 8b para via, comparando com a “Troco do Grego” que é 8a.

Croqui atualizado do setor.

Outra novidade é a via “Porco Aranha”. Essa linha aproveita o traçado mais natural do setor que consiste em subir por uma fissura que corta o setor de cabo a rabo. Em 2012, equipamos o projeto “Canhoto Psicopata” que transcorre por essa fissura até a metade e depois sai à direita em diagonal, evitando um platô que tem logo acima. Agora, 9 anos depois, limpamos a seção do platô para cima, batemos uma parada e conquistamos a “Porco Aranha”, um belíssimo 7c totalmente em móvel em uma placa negativa. Em 2012, equipei a parte da fenda com chapas, mas atualmente vimos que era possível escalá-la com material móvel, basicamente micro-friend, então arranquei todas as chapas da fenda deixando apenas a 1a proteção. Com isso, para repetir a via é preciso levar dois jogos de Camalot #.3 ao #2 e um #4 opcional, tanto para “Porko Aranha” quanto para os outros projetos que compartilham a mesma saída. Não preciso nem dizer que as colocações são sofridas, ao melhor estilo fenda capixaba, por isso não recomendo para quem está começando a escalar em móvel.

Separando as peças. Foto: Yasmin.
Escalando a “Porco Aranha” (7c).

Pessoalmente posso dizer que é a melhor via em móvel de Calogi, e uma das melhores da região. Não é comum ter uma linha tão continua em peças pequenas e uma placa tão vertical a negativa. Embora não use 100% de fenda para escalar, há belos entalamentos e muita movimentação em agarra. Já da metade para cima, depois do platô, há um segundo trecho, ainda em móvel, passando por uma fenda mais larga em chicken wing e chaminé de meio corpo até o top final em chapa de argola.

No mais, a Yasmin continua batalhando a “O troco do grego” após cair da última agarra; o Eric anotou no whishlist a fenda e da “Troco do Grego” e o Lissandro foi apresentando ao “Guarda Costa”. Ou seja, todos nós temos motivos de sobra para voltar ao setor o mais breve possível!

Yasmin na “Troco do Grego” (8a).

Postagens relacionadas

Comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.