Auto-retrato durante uma sessão de finger. Montinho de crash pad para alcançar o finger

Até há alguns meses, o fingerbord lá de casa estava mais para um adorno do que para qualquer outra coisa, mas depois de um pouso mal sucedido e ter de ficar com os dois pés imobilizados, comecei a achar uma utilidade para ele…

Como tive bastante tempo, estudei um pouco mais sobre fingerboard. E agora estou usando intensivamente o treco para não ficar parado e ter uma volta ao universo vertical menos dolorosa.

A primeira coisa que aprendi foi que, como o nome diz, fingerboard é para ganhar força nos dedos e basta! Não foi feito para fazer barra! Para isso, inventaram a barra…

Um outra coisa interessante é que o período de ganho no finger está numa pequena janela de 4-8 segundos. Ou seja, ficar pendurado 20 segundos no reglete não tem ganho real após essa janela. No máximo estará perdendo o seu tempo. Assim como, ficar pendurado 8 segundos na zona de conforto também não traz ganho real. Se consegue fazer sorrindo toda a série proposta sem se cansar é porque a carga está baixa e está perdendo o seu tempo.

O finger não foi feito para ganhar resistência, nem explosão (para isso tem o campus), ele foi feito para ganhar força nos dedos, logo é uma ferramenta de alta carga e baixa repetição. É como os marombeiros fazem para ganhar massa, alta carga, baixa repetição.Só que nesse caso é para os escaladores ficarem com os “dedos musculosos”.

Outra coisa que aprendi foi que para ter sucesso no finger, o cara tem que ter motivação e muita paciência, porque as séries são extremamente monótonas . Em outras palavras, é um pé no saco! Inclusive estou achando que quem inventou isso foi um velho monge chinês!

Não preciso nem dizer que as melhores referências estão em inglês e que os caras que mais usam são os ingleses. Tinham que ser os ingleses com aquele jeito sistemático e meticuloso para gostar disso… Aliás, na minha opinião, e para a minha realidade, o treinamento da escola inglesa é que se adequa melhor. Também há muitos vídeos, bons e ruins, sobre o assunto na net. O difícil é saber o que é útil e funcional do que não serve para nada, pois há milhões de séries de treinamento à disposição e nem todas são funcionais…

De forma resumida e de acordo com a minha conclusão montei um treino para mim:

Vale lembrar que a carga é de acordo com o perfil do escalador, logo cada escalador terá a sua melhor carga. Carga baixa = resultado zero; carga alta = lesão. Eu me enquadro no grupo: escalador que treina mais de 2 anos sistematicamente e que escala grau à vista 8b (BRA). Não achei nada para quem está com os pés quebrados… Então, as séries abaixo estão otimizados para esse tipo de perfil. Cada um precisa saber ponderar para o seu perfil e fazer as adaptações necessárias.

1- Como manda a cartilha, aqueça bem antes das séries. O ideal é dar umas voltas pelo muro (escalando, por favor) por uns 15 minutos. Como eu não estou podendo escalar, troquei por uma série de barras em agarra.

2- Uma série é composta de: 6-10 segundos de contato (suspensão, blocado a 90 graus ou blocada total), seguido de 3-4 segundos de “descanso”. Repita isso 6 vezes. Uma série dura míseros 60 segundos em média.

3- Descanse 3 minutos;

4- Repita os passos 2 e 3, mais 6 vezes e pronto!

Se você estiver bem, depois disso, descanse 10 minutos e repita os passos, 2,3,e 4 mais 2 vezes. Confesso que nunca tive saco suficiente para repetir as séries…

Alguns detalhes importantes: para quem está começando, é recomendado ficar só na suspensão, nada de meia-blocada nem blocada total; para quem estiver mais fraco ainda, vale colocar um apoio, cadeira, na frente para deixar os pés estendidos. Por outro lado, para aumentar a carga, você pode alternar suspensão com meia-blocada e blocada total; também pode acrescentar lastro e/ou usar pegas cada vez menores; também pode aumentar a carga fazendo suspensão assimétrica ( tipo, agarra boa numa mão e reglete na outra até chegar ao extremo de ficar só numa mão).

Pelo que andei lendo, não há muito que fazer com o tempo para aumentar a carga, no máximo diminuir o tempo de descanso entre as séries. Vale lembrar que, aqui o que vale é a qualidade e não a quantidade.

Na App Store tem um aplicativo (free)  muito bom para cronometrar as séries, o Hang Timer. A parte gráfica é bem tosca, mas tem tudo que precisa. Senão, a opção é colocar um relógio na frente é ficar contando.

E por fim, vale ressaltar que tudo que você leu acima é baseado em pesquisa particular e que nada foi comprovado cientificamente. E nem sei se a minha escalada vai melhorar depois disso… (muito motivador)

Para fazer as séries estou usando o finger Tendon da Gringa. Para as minhas necessidades, ele atende parcialmente. Particularmente acho os pocket´s mal desenhado nas bordas. Eles não ficam anatômicos nas bordas. Também sinto falta de uma pega em reglete intermediária.  Mas de forma geral atende bem as necessidades do iniciante ao avançado. Quero dizer, eu não sou avançado, então do iniciante ao intermediário… Os avançados que digam alguma coisa…

Se você não entendeu nada do que escrevi, aqui vão uns vídeos:

 

E também têm uns links legais:

http://www.metoliusclimbing.com/training_giude.html

Texto bem geral sobre o assunto no site da Metolius que fabrica uns fingers bem legais.

http://www.climbingworks.com/download/files/Training_Articles/beastmaker_fingerboard_article.pdf

Planificação com o finger da Beastmaker. Muito bom!

http://www.moonclimbing.com/blog/school/fingerboard-training-plan/

Teoria e prática com o finger, by master Ben Moon!

http://www.planetfear.com/articles/Fingerboard_Training__Advanced_1103.html

Artigo sobre finger. Também têm outros assuntos bem legais sobre treinamento.

Postagens relacionadas

5 respostas

  1. Ótimo post sobre treinamento, me deu uma luz “a mais” para o que eu estava fazendo no meu finger.. (estava pondo o anelar e o do meio das duas maos no bidedo mais fundo e bom, o indicador no buraco do parafuso e pinçando com o mindinho e o dedao a pinça que tem logo abaixo, e fazendo 10 barras, intercalando-as com barras no abaolado. Estou fazendo isso 1x por semana durante um mês já pois nunca tinha feito finger e achei que seria uma forma de ir me adaptando às cargas… mas essas suspensões aí me deram muitas idéias, pq tem uns bidedos e regletes que eu nao consigo ficar nem 5s, o que agora eu vejo como bom, nao ruim! =D

    Ah, e sim, ficou lindo de paquita hahaha Essas talas aí não funcionam como lastro no treinamento?

    Abraço e boa recuperação que agora falta pouco!

  2. Dá-lhe Naoki, como que anda a recuperação?! Que “zica” hein brother!! Massa esse seu “post” sobre o finger.. Se você colocar uma barra na porta (aquelas que você pode colocar e tirar com rosca), um pouco abaixo do finger, isso vai aumentar exponencialmente a opção de exercícios.. inclusive alguns tipo “campus”. Fiz um desses em casa e tenho seguido alguns princípios de treino, anotando todos que tenho feito desde o final de março, os resultados foram muito satisfatórios até agora, inclusive com 9a flash.
    Melhoras pra vc, espero que volte logo a escalar… abração

  3. Se vc não é avançado, com tanto tempo de escalada e escalando 8b à vista eu nem sei o que eu sou? rs

    Ótimo texto. Também achei esse finger a melhor compra no Brasil! Mas como todo mundo que tem um finger, depois do período inicial de empolgação, ele virou enfeite. Sempre olho pra ele é penso que preciso voltar a treinar nele. Talvez seu texto me sirva de inspiração.

    Abraço

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.