Limpeza do sensor da câmera – Dicas

 

Como fotografo usando somente objetivas primes, sempre preciso ficar trocando as lentes o que acaba expondo, nem que seja por uma fração de segundos, a parte mais sensível da câmera, o sensor! E para piorar, na maioria das vezes a troca é feita em ambiente não muito salubre para uma câmera, como por exemplo, num ambiente externo com muito vento e poeira.

Há algumas técnicas que ajudam a minimizar o efeito como (1) posicionar a parte frontal da câmera contra o vento, usando o corpo como um escudo durante a troca; (2) virar a câmera para baixo na hora de fazer a troca, evitando assim que a sujeira “caia” para dentro; (3) e por fim, fazer a troca o mais rápido possível, sem deixar cair a lente!

É claro que, mesmo com todos esses cuidados, com o tempo, o sensor da câmera acaba acumulando um pouco de sujeira. Com o tempo, a sujeita começa a ficar perceptível em algumas fotos, principalmente nas fotos tiradas com abertura pequena (>f/16) contra um fundo homogêneo (como o céu).

De início, quando começarem a aparecer as bolinhas pretas, você pode ir removendo as no pós-processamento. O Lightroom tem uma ferramenta e um recurso específico para detectar e corrigir esses artefatos.

Mas chega uma hora que a imundice começa a incomodar e ai é preciso partir para uma solução mais incisiva que é fazer a limpeza do sensor. Se você der uma pesquisada rápida na internet vai ler um monte de coisa sobre o assunto e logo vai chegar a uma constatação. Várias pessoas vão falar que isso é perigoso que pode estragar a sua câmera e que é melhor deixar para uma profissional do ramo (e pagar R$ 600,00). Outras vão falar que isso é fácil e bem tranquilo. Inclusive no You Tube há vários tutoriais sobre o assunto.

_DSC3847

Sensor imundo após duas semanas fotografando em ambiente adverso. Nikon D600, 50mm, ISO200, f/8, 1/1250.

Minha experiência: sou da turma que faz as coisas por conta. É perigoso? É! Já fiz merda? Sim. Uma vez, quando fui fazer a limpeza do sensor, por algum motivo que eu não sei até hoje, o espelho destravou e tudo veio abaixo enquanto estava com uma caneta (de limpeza) dentro. Resultado: destruí a cortina da câmera e tive que levar para uma assistência. Mas nem por isso parei de futricar e continuo fazendo a limpeza do sensor por conta própria.

Para fazer a limpeza do sensor é preciso basicamente de:

  • Um computador para fazer o check da limpeza;
  • A câmera suja com a bateria carregada;
  • Uma objetiva para fazer as fotos de teste;
  • Um dia bonito com céu azul;
  • Uma lanterna para ajudar na iluminação;
  • Um fuck-fuck;
  • Alguns Sensor Swab’s (em média uso de 3-6 por limpeza, a depender da sujeira);
  • E um fluido de limpeza (uso Eclipse Optic Cleaning Fluid);

_DSF9741

Preparando para fazer a limpeza.

Antes de começar a limpeza, o ideal é fazer uma foto de teste para ver a dimensão da sujeira. Para isso, basta configurar a câmera com os seguintes parâmetros:

  • ISO 200-400;
  • f/22 (importante que seja o mais fechado possível);
  • Prioridade abertura;
  • Foco no infinito.

E em seguida tirar uma foto do céu azul!

Descarregue a foto no computador e dê uma olhada no resultado. Eu uso o Lightroom para isso e na minha versão (2015.1), na aba de revelação, quando habilito a ferramenta “remoção de manchas” (Q) tem um checkbox na base chamado “visualizar pontos” que permite ver melhor a sujeira. Assim fica melhor de ver a real dimensão da sujeira!

_DSC4686

Foto do céu antes da limpeza. Muito sujo? Nikon D600, ISO 200, f/22, 1/160.

_DSC4686-2

E agora? A mesma foto com um pouco de processamento para ressaltar a sujeira. 

lightroom

Aplicando um filtro para visualizar melhor as sujeiras da foto anterior no Lightroom. Os pontos brancos são as sujeiras no sensor. 

Se você considerar que dá para conviver com a sujeira do sensor, não faça nada. Por outro lado, se a sujeira estiver incomodando, está na hora de partir para uma faxina.

O próximo passo será levantar o espelho para expor o sensor da câmera para ter acesso a ele. Na Nikon, isso se fazer pelo: Menu -> Menu de configuração -> Travar o espelho para limpeza -> OK. E quando clicar no disparador o espelho e a cortina irão subir e expor o sensor, a alma da câmera!

_DSF9743

Sensor da câmera que fica por trás do espelho.

A primeira limpeza faço usando o compressor de ar (o fuck-fuck). Jogo um pouco de ar para tirar a sujeira grossa. Com certeza, a essa altura, as sujeiras mais pesadas não irão nem sentir o efeito do ventinho.

Em seguida pego um sensor swap, molho com o líquido e em seguida passo firmemente no sensor em um movimento único e contínuo, de uma lado para o outro. Em seguida, viro a espátula para o outro lado, e passo na direção oposta. E pronto! Desligo a câmera para baixar o espelho e a cortina e faço mais uma foto de teste para comparar os resultados. Caso não tenha ficado legal, repita a operação!

_DSF9742

A espátula de limpeza descartável e o fluido. 

_DSC4694

Resultado da limpeza após repetir a operação 5 vezes. Ainda sobraram alguns pontos, mas considerei o risco muito alto para pouca sujeira.

Considerações importantíssimas!!!

As espátulas têm tamanhos de acordo com o tamanho do sensor. Por isso, na hora de comprar, compre o tamanho correto;

Algumas espátulas já vêm umidificadas, bastando apenas passar no sensor, outras são secas, precisando molhar com o fluido;

Não compre fluido/espátula vagabundo ou de origem duvidosa. Não se esqueça que vai passar na parte mais sensível da câmera. Estragou o sensor, joga fora a câmera;

Nunca reutilize a espátula! Use para passar na ida (num lado) e na volta (pelo outro lado) e depois jogue fora, pois caso use várias vezes passando de um lado para o outro, em vez de limpar, vai sujar mais ainda o sensor espalhando a sujeira;

Passar a espátula é um pouco manhosa, é preciso fazer um movimento coordenado entre a espátula e a câmera. E não se esqueça que a maioria da sujeira fica acumulada nos cantos, onde é mais difícil de passar a espátula;

Muito cuidado enquanto estiver manipulando a câmera com a espátula para não desligar a câmera acidentalmente e o espelho e a cortina cairem!!!

E por fim, não seja cri-cri! Lembre-se de que em 99% dos casos você não vai fotografar com o obturador tão fechado virado para o céu e que a sujeira se destaca somente quando o mesmo estiver muito fechado contra um fundo homogêneo. Em abertura padrão, f/2.8 a f/8, as sujeiras normais não são visíveis na foto.

Boa limpeza!

Postagens relacionadas

Comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.