XII Encontro Capixaba de Escalada – Release

  • Camiseta oficial do evento.

Aconteceu no último final de semana, feriado de Finados, a…

Mas Finados não chove?

Sim, chove, mas mesmo assim, aconteceu a XII edição do Encontro Capixaba de Escalada na cidade serrana de Venda Nova do Imigrante.

Mas se no feriado de Finados chove, o que vocês fizeram?

Na verdade, no dia de Finados, que SEMPRE chove por aqui, não choveu. O problema foi na 6a feira, dia anterior, quando choveu 60mm em algumas horas, segundo dados do Cemaden. Com isso, no sábado, mesmo sem chuva, a pedra ficou totalmente molhada.

Se por um lado a chuva estragou a nossa escalada, essa chuva foi providencial para os agricultores da região, principalmente do norte. Quando passamos os finais de semana pelo interior e convivendo com os moradores locais, fica claro que nos últimos tempos anda chovendo muito abaixo da média. Quando ouço histórias como a do Itamar de Afonso Cláudio que essa semana ficou sem água para família e os animais porque a nascente secou, não consigo nem ficar triste porque molhou as vias…

O jeito foi correr para o “Muro Fabrício Amaral” no Campus do IFES e fazer uma seção de boulder para gastar as energias e abrir o apetite para janta. Se por um lado a chuva a atrapalhou a escalada outdoor, a seção indoor foi uma ótima oportunidade para fazer uma grande integração entre os participantes, além de dividir bons betas.

Muro Fabrício Amaral no IFES.

Já o local sede do evento foi no Sítio Ambrosin, distante a apenas 5km da Parede de Uliana, um típico empreendimento de turismo rural com uma grande infraestrutura para receber os mais de 60 participantes do evento.

Sítio Ambrosin.
Amanhecer no sítio.

Após a janta, a programação ficou por conta do escalador e biólogo Léo Baião que falou um pouco mais sobre “escalada e animais peçonhentos”. E logo depois, sem maiores, aconteceu o tradicional sorteio de brindes dos apoiadores. 

Hora da janta!
Cardápio da noite: strogonoff!
Abertura oficial do evento.
Dante realizando o sorteio.
Palestra sobre Escalada e Animais Peçonhentos.

Até onde sei, parece que a noite foi bastante longa, com direito a seção de boulder em mesa de plástico e tudo mais.

Domingo

O domingo amanheceu radiante e logo cedo aconteceu a aula de Yoga com a escaladora e instrutura Simone em frente ao lago para começar o dia em sintonia com a natureza. 

Para alguns o dia começa cedo!
Aula de yoga.
Aula de yoga pela manhã.

Após a tradicional foto oficial foi hora de conferir a Parede de Uliana a procura de uma linha seca para aproveitar o domingo ensolarado. Com mais de 35 vias no setor, achar uma linha seca não foi problema e a galera pode se divertir com a mesma intensidade dos mosquitos famintos.

Foto oficial do evento.
Parede de Uliana.

Um aspecto interessante sobre a Parede de Uliana é que essa é a primeira área de escalada esportiva do Estado onde quase todas as proteções foram subsidiadas pela Associação Capixaba de Escalada. A ACE, em parceria com a marca paranaense Bonier, adquire as proteções a preço de custo e subsidia 50%, ficando a outra metade por conta do sócio que fizer a solicitação.

O encontro deste ano pode não ter sido 100%, principalmente por causa da chuva, mas com certeza, alguém lá em cima ficou muito feliz em ver tanta gente reunida em Uliana para celebrar o verdadeiro espírito da escalada. Essa foi por você, Amagal!

O resgate

Na semana passada, Lissandro e eu repetimos a via “Tubarão na Lagoa” em Afonso Cláudio e baixamos da via sob intensa chuva. O relato pode ser lido aqui! Pois bem, no corre corre da descida, nós acabamos deixando para trás, mais especificamente na P1 da via, um jogo de Toten Cam e mais alguns Camalot´s! Como os móveis são usados apenas na primeira enfiada, acabamos deixando na P1 o peso excedente, deixando lá para recuperá-los na volta. O problema foi que, além da chuva, na descida, não passamos pela P1, pois conseguimos rapelar da P2 direto para o chão num longo rapel de 55m.

Mas o pior não foi isso, no dia seguinte, voltamos à base da via para procurar uma costura que tínhamos deixado cair no dia anterior. E pior ainda, depois de achar a costura , ainda ficamos discutindo o traçado da via olhando para pedra e não fomos capazes de ver o molho de peças na parede…

O fato é que só fui sentir falta das peças no conforto do lar, quando fui separar os equipos. Por causa disso, no sábado, antes de ir para o encontro, tive que fazer um pequeno resgate, repetindo a primeira enfiada novamente. Ah sim, por causa da chuva do dia anterior (24mm), naturalmente a fenda estava úmida e a escalada se mostrou mais “desafiadora”. Acho que usei o dobro da quantidade de peças em relação à semana anterior. Desgraça pouca é bobagem…

Postagens relacionadas

Comentários

2 respostas

  1. Excelente relato Naoki, e melhor, com velocidade record, me sinto inclinado a acreditar que foi medo do meu exército de hackers rsrsrsrsrsrs

  2. Quem disse que no finados não choveu? Não choveu no IFES kkkk… pq no sítio e no restaurante Venturim (em frente a Uliana) caiu um diluviooooo no horário de almoço kkkkkk… valeu pelo registro Japonês !!!! Mais um, menos um… rs

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.